Maior sucesso da história da Netflix, "Alerta Vermelho" deve ganhar duas sequências
RED NOTICE
Imagem: Frank Masi/Netflix

Maior sucesso da história da Netflix, “Alerta Vermelho” deve ganhar duas sequências

Filmes devem ser produzidos juntos a partir de 2023, com a Netflix na expectativa de trazer mais celebridades pro elenco

por Pedro Strazza

“Alerta Vermelho” é atualmente o filme original com maior sucesso de audiência na Netflix, tendo desbancado os titãs “Bird Box” e “Resgate” no ano passado com mais de 220 milhões de horas assistidas pelos usuários do serviço. Dado o alcance do projeto, era questão de tempo até a companhia decidir bancar sequências.

De acordo com fontes do Deadline, o estúdio já está nos primeiros estágios de desenvolvimento de duas continuações do filme estrelado por Dwayne Johnson, Ryan Reynolds e Gal Gadot, com o trio garantido no projeto junto do diretor e roteirista Rawson Marshall Thurber. A ideia da Netflix é começar a produção no começo de 2023, com os filmes sendo realizados juntos, mas tudo depende por enquanto das agendas dos artistas envolvidos – um malabarismo difícil, claro.

Além do elenco original, o Deadline ainda reporta que o plano é adicionar novos personagens às sequências para transformar a agora franquia numa série nos moldes do “Onze Homens e Um Segredo” de Steven Soderbergh, com a graça sendo exatamente ver um grupo enorme de estrelas de Hollywood na mesma história. A produção segue a cargo da Flynn Pictures, da Bad Version Productions e da Seven Buck Productions de Johnson.

É mais um projeto ambicioso que a Netflix organiza no curto espaço de três anos, conforme o serviço de streaming busca franquias para rechear seu catálogo em constante expansão. Além de “Alerta Vermelho”, a companhia este ano tem pra sair o “The Gray Man” dos irmãos Russo, que conta com Chris Evans e Ryan Gosling, e a continuação do “Resgate” estrelado por Chris Hemsworth, além de já ter confirmado a sequência de “The Old Guard”. Há ainda os dois novos capítulos de “Entre Facas e Segredos”, bancados na altura de US$ 400 milhões em cima da Lionsgate, proprietária original.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link