Ernie_bert_bathheder

Então Ênio e Beto talvez sejam um casal, no fim das contas

Roteirista que trabalhou por mais de 15 anos na “Vila Sésamo” afirma que escrevia as histórias dos personagens com base no próprio relacionamento, mas Sesame Workshop mantém versão da amizade

por Pedro Strazza

[ATUALIZAÇÃO: 15h20] Depois de ter declarado que havia se espelhado em sua própria relação amorosa para escrever os esquetes de Ênio e Beto, agora Mark Saltzman voltou atrás com suas declarações. Ao New York Times, o roteirista diz que foi mal interpretado nos dias seguintes ao de sua entrevista, afirmando que “como escritor, você apenas traz o que você conhece para o seu trabalho. De algum jeito, no meio das reações, isso se transformou em Ênio e Beto sendo gays. Existe uma diferença”. Além disso, Saltzman também declara que os dois personagens são “dois caras que se amam”, num exercício de paixão similar ao de uma poesia – ou seja, nas palavras dele, “É o que você precisa para ser”.[FIM DA ATUALIZAÇÃO]

Grande parte das crianças ao redor do mundo hoje conhecem a “Vila Sésamo”, clássico programa criado nos anos 70 para a atual PBS e que conta com uma verdadeira galeria de personagens célebres como Elmo, Garibaldo e o Come-Come. Com diversas versões licenciadas e espalhadas pelo globo ao longo dos anos, o programa cresceu consideravelmente a ponto de manter hoje uma trajetória um tanto mais sólida que a de seu irmão mais velho “Os Muppets”, hoje em uma situação um tanto triste de abandono por parte da Disney.

É graças a internacionalização da “Vila Sésamo”, porém, que um tema até então circunscrito à esfera do debate público estadunidense se tornou globalizado, semeando a dúvida (e talvez a discórdia) em cima de crianças e adultos de todas as idades em tantos territórios ao longo da última década: a relação de Ênio e Beto. Apresentados desde a fundação do programa como “melhores amigos”, a dupla sempre causou certa controvérsia por não só dividir uma casa como também o mesmo quarto para dormir, ainda que em camas separadas para apaziguar qualquer sinal de polêmica em torno das alas mais conservadoras do público – ou seria, talvez, para manter as aparências?

Esta questão, que por anos virou motivo de piada por diversos programas humorísticos, ganhou esta semana um capítulo extra graças a uma entrevista concedida por Mark Saltzman ao site LGBTQ+ Queerty. Perguntado sobre a real natureza da relação entre os dois personagens, o roteirista – que trabalho na “Vila Sésamo” entre os anos de 1984 e 1999 – afirmou que tratava a situação da dupla como um efetivo relacionamento amoroso, inspirado em seu namoro com o montador Arnold Glassman.

“Eu sempre senti sem uma grande agenda por trás que, quando eu escrevia os quadros de Ênio e Beto, eles eram [namorados]. Eu nunca achei outra maneira de contextualizá-los” confirma Saltzman na entrevista, emendando depois com a relação que os personagens tinham com seu namoro com Glassman: “Mais de uma pessoa se referia ao Arnie [Glassman] e eu como ‘Ênio e Beto’. Eu era o Ênio. Eu parecia mais o Beto. E o Arnie sendo um montado – se você pensa em um trabalho pro Beto no mundo, não seria perfeito? O Beto com seus clipes de papel e organização? E eu era o palhaço. Então era O relacionamento entre Ênio e Beto”.

Embora Saltzman reafirme mais algumas vezes na entrevista o apelo que a dupla de fantoches tem com a população LGBTQ+, a Sesame Workshop ainda assim mantém que Ênio e Beto são amigos e não amantes. Na esteira dos burburinhos iniciais sobre a publicação, a organização responsável pela manutenção dos direitos e do legado da “Vila Sésamo” emitiu uma declaração em sua conta oficial no Twitter onde diz que o objetivo inicial dos dois personagens era de “ensinar crianças em idade pré-escolar que as pessoas podem ser boas amigas com aquelas que são bastante diferentes delas” e que apesar de possuírem características masculinas a dupla ainda “permanece sendo bonecos, e por isso não possuem orientação sexual”.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link