Clicky

Pouco Pixel 46 – Casa da árvore do terror

Video games são capazes de assustar?

16.maio.2016

Filmes assustam, contos dão calafrios… e os video games? Adriano Brandão e Danilo Silvestre tentam descobrir se jogos também são capazes de transmitir o mais humano dos sentimentos: o medo. O gênero do terror é viável nos video games? Jogos antigos conseguem criar atmosferas de horror convincentes ou foi necessário esperar até surgirem consoles com maiores capacidades gráficas e sonoras? O terror está nos temas ou no gameplay? E, falando em monstros… o quê, afinal, matou o Orkut?

Download | iTunes | Feed

00:02:41 – Casa da árvore do terror
00:52:05 – Debate de bolso
01:18:24 – Cartinhas
01:30:52 – Extras do diretor

Os famosos links no post

Jogos mencionados: Alone in the Dark“, o único de terror resenhado no blog; mas também mencionamos “River Raid“, “Pac-Man“, “Ninja Gaiden” e “Super Mario Bros.
Outros jogos de terror citados: “Halloween“, “Frankenstein’s Monster“, “Friday the 13th“, “Dr. Jekyll and Mr. Hyde“, “House of the Dead“, “Splatterhouse“, “Resident Evil“, “Silent Hill“, “Phantasmagoria“, “Clock Tower
O som assustador do labirinto de “Mr. Postman“, do Atari
Os créditos engraçadões do primeiro “Castlevania” do Nintendinho
Quem disse que jogos de terror não podem ser educativos? Conheçam “The Typing of the Dead
Pessoas levando sustos homéricos com “Outlast
Não tivemos coragem de procurar Não encontramos nada sobre a assutadora “Boca do Forno”
Ello, a rede social que nunca foi
E o Flogão virou uma rede de nicho para aficionados por caminhões
Bad, bad, server, no donut for you!
Os Jovens Guerreiros Tatuados de Beverly Hills“, a pior série de todos os tempos

Groselhas

O presidente americano que, afinal, sairá da nota do dólar é Andrew Jackson (1829-1837); o musical sobre Alexander Hamilton surgiu um pouco antes da polêmica sobre a cédula.
100 views para uma página de 5000 likes configura um alcance orgânico de 2%, não 10%. Pobre matemática.

O som do episódio

Você aguentaria ficar sozinho no escuro?

Mande cartinhas!

Aqui nos comentários, no nosso Twitter, no nosso Facebook ou por e-mail, direto no nosso site. Valeu!

Comente