Google ouve conversas dos usuários do Google Home em segredo

Informante que trabalhou na companhia vazou áudios de usuários gravados pela empresa na Holanda e na Bélgica

por Matheus Fiore

Assistentes de voz como o Google Home e a Alexa há tempos já se tornaram itens comuns nos lares dos Estados Unidos. Uma pesquisa divulgada em 2018 aponta que aparelhos do tipo se fazem presentes nas casas de mais de 40 milhões de estadunidenses, um número que também corresponde a aproximadamente 32% do público consumidor do país.

Mas ainda que seja um item bastante útil por seus comandos de voz e demais funcionalidades, os assistente de voz também levantam um importante e espinhoso debate sobre privacidade. Afinal, qual a garantia de que as empresas por trás dos modelos de ponta não estão utilizando seus aparelhos para ouvir as conversas de seus clientes?

De acordo com o The Next Web, o medo é justificado: o Google estaria, de fato, colocando alguns de seus funcionários para ouvir as conversas dos clientes que possuem o Google Home em seus lares – e, claro, sem o consentimento dessas pessoas. A informação, que veio do canal belga VRT News, sugere que não é necessário que ninguém interaja com o smart speaker, o modelo estaria habilitado para começar a gravar e transmitir áudios a qualquer momento.

O VRT conseguiu, com ajuda de uma fonte interna, escutar algumas dessas gravações e, a partir dos áudios, até mesmo identificar os endereços de diversos usuários holandeses e belgas do Google Home. Os usuários não só não sabiam, como também não estavam nem mesmo utilizando seus assistentes de voz no momento em que foram gravados. O informante que vazou os áudios estava trabalhando para o Google transcrevendo esses áudios, a fim de ajudar no sistema de reconhecimento de voz da empresa.

Apesar de o VRT só ter acessado gravações de usuários da Holanda e da Bélgica, a plataforma mostrada pelo informante mostrou que há gravações de todos os lugares do mundo, o que sugere que o Google repete o mesmo processo com diversos profissionais ao redor do mundo. Vale lembrar que, nos termos de uso e serviço do Google Home, não há nenhuma menção à possibilidade de funcionários da empresa terem acesso a esses áudios.

Ao se defender das acusações, o Google afirmou que só utiliza 0,2% dos clipes de áudio para aprimorar sua tecnologia de reconhecimento de voz. Mesmo assim, a notícia acaba repercutindo negativamente, tanto pelo fato de ser uma óbvia invasão de privacidade, como por não haver nenhum aviso prévio para os usuários que têm seus áudios analisados e transcritos.

Compartilhe: