Pesquisa aponta que Facebook ainda é a maior fonte de consumo de notícias

E o curioso é que o público ainda não confia no que lê dentro da plataforma

por Matheus Fiore

Apesar de todos os problemas com fake news dos últimos meses, uma pesquisa do Instituto Pew aponta que o Facebook é a plataforma pela qual as pessoas mais consomem notícias.

A notícia chega justamente no mês em que o Facebook planeja lançar uma aba em seu aplicativo dedicada exclusivamente às notícias. O recurso terá curadoria feita por funcionários humanos, em vez de algoritmos, para impedir que fake news ou portais maliciosos cheguem ao topo.

Nos Estados Unidos, mais de a metade dos usuários das redes sociais se informam pelo Facebook. O número total é 52%, contra 28% do YouTube, 17% do Twitter, 14% do Instagram, 8% do LinkedIn, 8% do Reddit, 6% do Snapchat e 4% do WhatsApp.

Por outro lado, 88% dos entrevistados afirmaram acreditar que as redes sociais possuem alguma forma de controle sobre as notícias que as pessoas consomem. Outra maioria, uma de 62%, acreditam que esse controle é mais intenso. É curioso pois os números são contrastantes: ao passo que a maior parte da pessoa se informa pelas redes sociais, a maioria delas não confia plenamente no que consome em tais plataformas.

O Facebook tem feito esforços importantes para combater as fake news. A criação de um programa que identifica notícias falsas de forma autônoma, por exemplo, é um grande passo – mesmo que o programa seja focado em proteger mais a imagem da própria empresa do que o público.

Por outro lado, a empresa ainda é a plataforma mais utilizada para propagar fake news, como apontou um estudo recente. Outra informação preocupante é que a plataforma, recentemente, afirmou que não mais deletará nenhuma postagem de páginas oficiais de políticos, mesmo que elas contenham fake news ou discurso de ódio.

Compartilhe: