Com confiança do mercado e plataforma prestes a ser lançada, Disney+ confirma expansão na Europa para março

Itália, Reino Unido, Alemanha, França e Espanha são alguns dos países do velho continente já confirmados na segunda onda de lançamentos, no começo de 2020

por Pedro Strazza

Depois do Apple TV+ na semana passada, o próximo grande serviço de streaming a chegar no mercado para aquecer a guerra do meio é o Disney+, que fica disponível nos Estados Unidos e alguns poucos outros países no próximo 12 de novembro. Mas ainda que a plataforma esteja em seus preparativos finais, a Disney está confiante o suficiente para já divulgar ao público os primeiros passos de seu empreendimento – no caso, a primeira parte de sua expansão para a Europa.

Seguindo o planejamento do anúncio do streaming, a companhia anunciou nas redes sociais no fim de ontem (7) que a Plus será disponibilizada em alguns países da Europa no dia 31 de março de 2020. Embora a lista completa não tenha sido divulgada, a Disney confirmou que o Reino Unido, a Alemanha, a França, a Itália e a Espanha serão algumas das nações do velho continente a ganhar acesso à plataforma na data. Todos se juntarão à Holanda, que foi incluída na primeira onda da plataforma neste 12 de novembro.

A confiança não vem à toa e a bem da verdade está muito ancorada nos resultados exibidos pelo conglomerado nos últimos três meses. Na mesma tarde que anunciou as novas datas de lançamento do Plus, a Disney também confirmou em reunião com investidores que seus lucros no último trimestre superaram até mesmo as expectativas mais otimistas dos analistas: de acordo com o relatório fiscal, a companhia entre julho e setembro de 2019 registrou uma arrecadação total de US$ 19,1 bilhões, um número acima dos US$ 19,04 bilhões projetados.

Embora no panorama geral do ano a Disney ainda esteja “abaixo” das expectativas – o montante total é de US$ 69,57 bilhões, 500 milhões de dólares atrás daquilo que os analistas previam a essa altura do campeonato – a notícia da curva de crescimento do trimestre levou as ações da empresa a subir 4% nas horas posteriores à postagem do relatório.

No Brasil, o Disney+ segue com previsão de lançamento para o fim de 2020.

Compartilhe: