cover-facebook4

Facebook reduz velocidade de compartilhamento de posts sobre as eleições dos EUA

Rede social também vai anunciar o nome do vencedor no topo da linha do tempo assim que a maioria dos principais veículos de notícia confirmar a projeção

por Pedro Strazza

O Facebook confirmou no fim da última quinta-feira (5) que tomou “medidas adicionais” para garantir que desinformação relacionada às eleições presidenciais norte-americanas de 2020 tenham seu alcance limitado dentro da plataforma. A companhia declara que todas as publicações relacionadas ao evento vão redirecionar o usuário à sua central de informação sobre o voto antes de permitir o compartilhamento das mesmas.

A empresa também diminuiu a disponibilidade de vídeos ao vivo “que podem estar relacionadas à eleição” e reduziu o alcance de todas as publicações sobre a votação nas linhas do tempo do Facebook e do Instagram. Ao Engadget, um porta-voz relata que a companhia está vendo “mais denúncias de afirmações incorretas sobre a eleição” e busca “manter estes conteúdos longe de um maior número de pessoas”.

Além disso, o Facebook também confirmou planos de anunciar o nome do vencedor da eleição presidencial do país no topo da linha do tempo de suas redes sociais assim que a maioria dos veículos de notícia confirmar a vitória do candidato, seja ele o democrata Joe Biden ou o atual presidente Donald Trump. Ao The Verge, a empresa diz que o Instagram e o Facebook vão exibir “Um Vencedor Presidencial Foi Projetado – <nome> é o vencedor projetado da Eleição Presidencial dos EUA 2020” com links para publicações do escolhido anexados dentro da central de informação.

Os veículos considerados nesta ação incluem a ABC News, a CBS News, a Fox News, a NBC News, a CNN, a Associated Press e a Reuters.

As medidas acontecem num momento em que a indefinição sobre os resultados abriu caminho para todo tipo de desinformação nas redes sociais. O Facebook inclusive atuou na limitação de alcance de publicações de Trump nos últimos dois dias, informando quando o chefe do executivo disseminava mentiras em seu perfil oficial, além de ter barrado a veiculação de anúncios políticos uma semana antes da votação.

Compartilhe:
icone de linkCopiar link