Campanha do Spotify convida brasileiros a valorizarem a cultura preta

Com Ludmmilla, Djonga e outros artistas, campanha convida as pessoas a escutarem o que as vozes pretas têm a dizer

por Soraia Alves

Não haveria música sem a influência da cultura preta. No entanto, essa contribuição está longe de receber o reconhecimento adequado. Com isso, o Spotify lança a campanha Abra Seus Ouvidos” e convida as pessoas a escutarem o que as vozes pretas têm a dizer.

Com participação de LudmillaDjongaMC Dricka e L7NNON, a iniciativa apresenta relatos que ilustram a extensão do preconceito na construção da indústria cultural. A partir das experiências pessoais dos convidados, a campanha questiona: “Você me ouve. Mas você me escuta?”. Essa indagação é o fio condutor do filme oficial da campanha, que conta com a voz da cantora Ludmilla, declamando um poema da Kimani, a poeta de slam do Grajaú.

“Tem bastante vozes pretas que abrem meus ouvidos. A primeira delas é um ícone pra mim, que é a Beyoncé. Eu amo tudo o que ela representa. A força que vem dela me dá mais coragem pra viver, sabe? A Rihanna também. Tudo que ela fez com a vida dela me inspira demais. Eu também amo escutar a Iza. A postura dela, o jeito dela, a voz da Iza, as músicas que ela canta, as letras, eu curto demais. Eu ficaria aqui o dia todo falando”, explica Ludmilla em um dos áudios da campanha.

Abra Seus Ouvidos” contará com vídeos e áudios exclusivos dos artistas que participam da campanha, compartilhando suas próprias perspectivas e experiências em como é ser um artista negro, além de revelar quais são os outros artistas que influenciam a arte e a obra produzida por eles até hoje.

“Escutar a voz dos pretos muda a realidade objetiva. A primeira coisa que muda é no bolso de quem está sendo escutado. E subjetivamente, muda para quem está ouvindo. Se essa pessoa é preta, ela vai se identificar e falar que existe alguém igual. E se essa pessoa não for preta, talvez ela passe a compreender um pouco as questões que devem ser compreendidas para o mundo ficar um pouquinho diferente”, diz Djonga em um dos vídeos.

Como parte de seu compromisso com a valorização da cultura preta, o Spotify também anuncia uma doação inédita de R$ 3,5 milhões à organização social Vale do Dendê, aceleradora de impacto social e centro de inovação criada em Salvador (BA), cidade com a maior população preta fora da África. O recurso será usado para investir em pequenos produtores de música e criadores de podcast, com impacto em mais de 500 profissionais da rede dessas produtoras. A Vale do Dendê possui hoje 150 empresas aceleradas e já impactou indiretamente mais de 800 empresas com seus programas.

A escolha de Salvador também está diretamente relacionada à efervescência cultural da região. O estado da Bahia é reconhecido desde 2016 pela UNESCO como capital da música e berço de movimentos culturais importantes, como a Tropicália, o Samba, os blocos afro, o Axé Music e mais recentemente os estilos como Pagodão e outras vertentes da música baiana contemporânea. A área é conhecida também pelo grande número de roteiristas, influenciadores e produtores de conteúdos digitais nas áreas de moda, cultura afro e entretenimento.

Compartilhe:
  • tags:
icone de linkCopiar link