Clicky

Mamilos 151: Todas as Letras do Arco-Íris - Parte 1

Mamilos 151: Todas as Letras do Arco-Íris – Parte 1

Jornalismo de peito aberto

por Mamilos

No último domingo, 3 de junho, milhares de pessoas lotaram a Avenida Paulista para a já tradicional parada LGBT. Nem o frio, nem a chuva espantaram o público que há 22 anos se reúne para dar visibilidade a luta e resistência das pessoas LGBT, e celebrar todas as cores que o gênero e a sexualidade humana tem. O evento está entre os mais importantes de São Paulo e movimenta mais de R$ 400 milhões!

A comunidade LGBT brasileira, atualmente, representa quase 9% da população (18 milhões de pessoas). Pelo mundo, mais de 76 países continuam criminalizando a homossexualidade. O Brasil é considerado um país com uma legislação rigorosa contra a homofobia e preconceitos de gênero.

Por que importa conhecer essa luta? Porque a Declaração Universal dos Direitos Humanos afirma que todos os seres humanos, não alguns, não a maioria, mas todos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. Quando celebrarmos os direitos humanos, precisamos lutar pela implementação da promessa da Declaração Universal: que eles sejam para todas as pessoas, como foi planejado.

Muitas vezes, na luta para que as pessoas LGBT tenham acesso aos mesmos direitos que todos os cidadãos, escutamos que a opinião pública é uma barreira para o progresso em função de crenças religiosas e dos sentimentos culturais.

Cada indivíduo deve ser livre para acreditar nos ensinamentos religiosos que escolher. Isso também é um direito humano. Mas não pode haver desculpa para a violência ou a discriminação, nunca. Pode ser difícil se levantar contra a opinião pública, mas só porque a maioria desaprova determinados indivíduos, não dá direito ao Estado de reter seus direitos básicos. A democracia é mais do que a regra da maioria. Ela exige defesa das minorias vulneráveis diante de maiorias hostis. Os governos têm o dever de desafiar o preconceito, não ceder a ele.

Hoje vamos entender melhor o que são todas as letras que formam esse arco-íris, quais são as violências e dificuldades que essas pessoas encontram e como podemos ajudar a promessa da Declaração dos Direitos Humanos se cumprir.

Para isso, contamos na mesa com a presença de Iran Giusti, jornalista, relações públicas, ativista e organizador da Casa 1 – Centro de Cultura e Acolhimento LGBT; Léo Barbosa, estudante de direito e militante transexual. Além deles, também temos as participações especiais de Danilo Carreiro e da Bia Santos, do HQ da Vida, e da drag queen Betina Polaroid.

Abre a mente e o coração e taca-lhe o play neste Mamilos!

Download | iTunes | Android | Feed | Spotify

========

FALE CONOSCO

. Email: [email protected]
. Facebook: aqui
. Twitter: aqui

========

CONTRIBUA COM O MAMILOS

Quem apoia o Mamilos ajuda a manter o podcast no ar e ainda recebe toda semana um apanhado das notícias mais quentes do jeito que só o Mamilos sabe fazer. É só R$9,90 por mês! Corre ler, quem assina tá recomendando pra todo mundo.
www.padrim.com.br/mamilos

========

EQUIPE MAMILOS

Edição – Caio Corraini
Apoio a pauta – Jaqueline Costa e grande elenco
Transcrição dos programas – Lu Machado e Mamilândia

========

CAPA

A capa dessa semana foi feita por Zeca Bral.
========

FAROL ACESO

Iran: centro cultural da Casa 1 e acompanhamento do caso jurídico envolvendo o Teatro Oficina e o Grupo Silvio Santos;

Léo: site Transempregos;

Cris: filme “XXY” e série documental “Fora do Armário”;

Ju: livro “A Mão Esquerda da Escuridão” e filme “A Noite do Jogo”.

Compartilhe: