Rihanna recusou a se apresentar no Super Bowl 2019 em apoio a Colin Kaepernick

Mesmo com convite feito pela NFL e CBS, cantora não aceitou fazer o show por não concordar com o tratamento da liga ao quarterback

por Soraia Alves

O Super Bowl 2019 já confirmou Maroon 5 como sua atração principal. Mas a banda não era a primeira opção do evento e sim a cantora Rihanna, que recusou o convite em apoio ao jogador Colin Kaepernick.

Segundo o relato de um fonte à revista US Weekly, “a NFL e a CBS realmente queriam que Rihanna fosse a artista do ano que vem em Atlanta. Eles ofereceram a ela, mas ela disse ‘não’, por causa da controvérsia do hino nacional. Ela não concorda com a postura da NFL. Ela apoia Colin Kaepernick”.

O caso em questão refere-se aos protestos feitos por Colin contra injustiças raciais e sociais nos Estados Unidos. Em 2016, o quarterback chegou a se ajoelhar durante a execução do hino nacional do país como forma de protestar contra a brutalidade policial em relação aos negros dos EUA. A partir de então, Colin tornou-se referência e o ato de ajoelhar-se durante o hino passou a ser feito por atletas de diferentes ligas esportivas dos Estados Unidos.

Na ocasião, o presidente Donald Trump criticou a atitude e pediu aos donos da NFL que suspendessem ou demitissem os jogadores que se ajoelhavam. Isso não aconteceu, mas desde que se tornou um free agent, em 2017, Kaepernick não foi contratado por nenhum time.

Rihanna teria recusado o convite para o Super Bowl justamente por compartilhar da indignação do jogador e relação ao tratamento dado pela polícia à comunidade negra do país. Vale ressaltar que outros artistas já manifestaram apoio a Kaepernick, como Stevie Wonder, que também se ajoelhou durante sua performance no Global Citizen Festival 2017.

Essa não é a primeira vez que um artista recusa se apresentar no Super Bowl. Em 2016, a cantora Adele dispensou o convite alegando que o espetáculo não combina com sua proposta musical. No mesmo ano, Lady Gaga acabou se apresentando.

Compartilhe: