cover-tiktok5

CEO do TikTok pede apoio de Instagram e Facebook após banimento nos EUA

Vanessa Pappas afirma que bloqueio da plataforma é ruim para todas as redes sociais e para a internet como um todo

por Matheus Fiore

Vanessa Pappas, a CEO do TikTok, pediu para o Instagram e o Facebook ajudarem a empresa após o recente banimento decretado pelo Departamento de Comércio dos EUA. O presidente americano decretou que tanto os aplicativos da ByteDance (responsável pelo TikTok) quanto o WeChat terão seus acessos bloqueados em todo o território estadunidense a partir do domingo do dia 20 de setembro, e o Departamento acatou as ordens. A medida vale tanto para Google Play e App Store quanto para outras plataformas de download.

Pappas pede que as empresas juntem-se publicamente ao desafio do TikTok e apoiem seu litígio. “O banimento do TikTok nos Estados Unidos seria ruim para o Instagram, para o Facebook e para toda a internet como um todo”, afirma a CEO. “Nós continuaremos desafiando essa ordem executiva injusta, que foi promulgada sem o devido processo e ameaça privar o povo americano e as pequenas empresas de todo o país de uma plataforma importante tanto para dar voz às pessoas quanto para sustentar lares”, completou.

Sem se preocupar muito, o Instagram começou a testar o Reels, ferramenta que copia descaradamente o TikTok, na Índia pouco após o app da ByteDance ser banido por lá. A empresa inclusive já planejava uma expansão global diante do iminente banimento do concorrente que o inspirou. Mesmo assim, o chefe da empresa, Adam Mosseri, comentou a notícia concordando com Pappas: “o banimento é ruim para todas as plataformas e para a internet”.

Outras empresas americanas também têm copiado o TikTok. Recentemente, o YouTube anunciou o seu Shorts, que tem formato e proposta idênticos aos do TikTok. O pedido de Vanessa Pappas marca mais um capítulo da briga entre o presidente Donald Trump e as empresas chinesas. A China, por sua vez, observa bastante irritada a situação, e já chegou a dizer que a venda do app para uma empresa americana configuraria roubo, já que a ByteDance está praticamente sendo coagida pelo mercado a trocar o país pelos Estados Unidos.

Compartilhe: