ImagineersInABox_Divulgacao2

Online e gratuito, novo programa do Disney Imagineering apresenta processo criativo dos parques ao público

Curso criado em parceria da Khan Academy busca inspirar criatividade no público jovem a partir de conceitos usados pelo departamento criativo por trás dos parques temáticos

por Pedro Strazza

A Disney está disponibilizando ao redor do globo esta semana o Imagineering in a Box, versão digital e gratuita do curso realizado pelo braço de pesquisa e desenvolvimento da companhia, o Walt Disney Imagineering (WDI). Conduzido em parceria da Khan Academy, organização sem fins lucrativos e provedora de cursos gratuitos, o projeto busca incentivar a criatividade e o pensamento de inovação para jovens entre 11 e 18 anos a partir de conceitos e aprendizados que o departamento usa diariamente na criação dos parques do conglomerado.

O programa consiste de 32 vídeos educacionais que reúnem estudos de caso reais do WDI com atividades interativas para a elaboração de um parque temático por parte do aluno. Apesar do produto final, o processo criativo usado no caminho alinha conhecimentos de ciência, tecnologia, artes e matemática, instigando assim o pensamento criativo em quem realiza o curso.

Ao B9, o executivo de desenvolvimento criativo do WDI Josh Gorin diz que o curso proporciona “um nível de insight sem precedentes sobre como os imagineers criam e constroem os parques, atrações, hotéis e cruzeiros da Disney”. “Ele foi realmente feito para dar a estudantes de todas as idades a oportunidade de ver como a ciência, a tecnologia e a tecnologia são combinadas ao design de produção e ao storytelling para criar mundos imersivos e locais que eles conhecem dos parques da Disney” comenta o executivo, que coordena diversas equipes dentro do departamento para proporcionar novas renovações das atrações da companhia.

Gorin também afirma que embora o Imagineering in a Box seja a princípio voltado para a juventude, sua aplicação é surpreendentemente ampla e para todas as idades. “O conteúdo educacional é provavelmente situado no nível do ensino fundamental, mas na verdade há um pouco para todo mundo porque ele é feito através de histórias” diz ele, que ainda comenta que realizou o curso na companhia do filho de cinco anos com imenso sucesso: “Foi uma atividade muito divertida para a gente, e eu espero que seja algo que as pessoas façam [com o curso] é assistir as aulas em família, porque é algo que com certeza é melhor feito de forma compartilhada”.

Acessibilidade

Além da questão da união, outro ponto importante na concepção do Imagineering in a Box foi a acessibilidade do material, permitindo que qualquer pessoa no mundo possa fazer o curso sem qualquer dificuldade. De acordo com Gorin, a WDI desde o início do projeto quis que “o maior número possível de pessoas fosse capaz de se relacionar com o curso”, algo que envolveu junto da parceria com a Khan Academy a facilidade de se relacionar com o material.

“Você pode acessar seu navegador e desenhar nele o layout de sua atração ou animar sua imagem” diz o executivo, que também confirma que o curso não exige programas de computador ou qualquer coisa que não esteja à disposição em qualquer lar: “Nós fomos garantir que [o curso] fosse o mais universalmente acessível o possível com elementos que você pode ter por acaso em casa, incluindo itens como um canudo ou um papelão. É algo que reforça que não importa a idade ou o fato de você ter ido ou não a um parque temático, há algo para todo mundo no programa”.

Todo este cuidado na estruturação do programa online é considerado tendo em vista especialmente a propagação dos valores que norteiam o WDI desde sua fundação, na construção e renovação dos parques temáticos da companhia. A atuação do departamento é sentida até hoje, não apenas nas novidades inauguradas em anos recentes e relacionadas a franquias do momento como “Star Wars” e “Avatar” mas também em atos simbólicos como a aposentadoria da “Splash Mountain” nos parques de Orlando e Califórnia, desinstalada após anos em favor de uma atração dedicada à “Princesa e o Sapo”.

“O que importa pra gente é que nós estejamos sempre contando histórias que ressoem com o público de uma forma significativa, que seja uma experiência significativa, os representem e os faça sentir bem vindos sempre que eles venham a um parque da Disney” comenta Gorin sobre o tema, lembrando que um dos pontos mais animadores para Walt Disney era a possibilidade das atrações estarem sempre em transformação: “Quando ele fez o discurso de inauguração da Disneyland, ele deu boas vindas a todos aqueles que viessem àquele lugar feliz. É uma honra e um privilégio para gente manter este conteúdo fresco e a continuar a renovar os parques com novas ideias, garantindo assim que eles continuem inclusivos, representativos e acolhedores a todo convidado que entrar pelos portões”.

Você pode acessar o Imagineering in a Box aqui.

Compartilhe: