"Desobediência" desafia o público ao falar de liberdade e sexualidade • B9

Comentários

Sua voz importa aqui no B9! Convidamos você a compartilhar suas opiniões e experiências na seção de comentários abaixo. Antes de mergulhar na conversa, por favor, dê uma olhada nas nossas Regras de Conduta para garantir que nosso espaço continue sendo acolhedor e respeitoso para todos.

Capa - “Desobediência” desafia o público ao falar de liberdade e sexualidade

“Desobediência” desafia o público ao falar de liberdade e sexualidade

Novo filme do diretor de "Uma Mulher Fantástica" foge de clichês e é bem-sucedido por crueza da narrativa

por Matheus Fiore

O ótimo “Uma Mulher Fantástica”, de 2017, já foi uma bela demonstração da coragem de Sebastián Lelio para trabalhar assuntos sensíveis sem ceder a clichês dramáticos. Na obra que conquistou o Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira, Lelio foi capaz de, ao mesmo tempo, negar ao público o alívio fácil, com soluções fantasiosas e otimistas demais, e também fugir do chavão da conclusão melancólica que persegue os filmes com temática LGBT – só lembrarmos como “Me Chame Pelo Seu Nome” foi muito criticado por, supostamente, ser “feliz demais”.

Em “Desobediência”, filme de 2017 que só chega ao circuito brasileiro este ano, Lelio volta a tratar da sexualidade, mas agora sob o escopo da liberdade atrelada a ela. No foco da trama, temos Ronit (Rachel Weisz), uma fotógrafa londrina que mora em Nova Iorque. Após o falecimento de seu pai, um prestigiado rabino, Ronit regressa a sua cidade natal e reencontra, além de seus amigos de infância, seu primeiro amor, Esti (Rachel McAdams). O problema é: além de Esti estar completamente inserida na bolha cultural daquela comunidade ortodoxa, ela é casada com Dovid (Alessandro Nivola), primo de Ronit.

Assim como “Uma Mulher Fantástica”, Lelio se recusa a dar as respostas para seu público, mesmo que o material de divulgação do filme entregue muita coisa. A sexualidade da protagonista, por exemplo, é algo que sequer é discutido. O diretor parece muito mais interessado em mostrar o choque entre o dogma e os direitos individuais e, mais do que isso, os efeitos de viver em uma comunidade que nega algo presente na essência das protagonistas. “Desobediência” é uma obra que traz, portanto, a sexualidade como grito de liberdade.

Sebastián Lelio no set

Essa irredutibilidade do dogma judeu é imposta desde a primeira cena do filme, que nos apresenta a morte do pai da protagonista. Com uma vida inteiramente dedicada à fé, o homem passa seus momentos finais em sua sinagoga, pregando. A sinagoga, aliás, é revisitada algumas vezes durante a projeção, e sempre traz algum rabino discursando, filmado de forma que pareça grandioso, com a câmera registrando-o de variados pontos de vista, a fim de construir uma figura mítica em torno dos líderes religiosos.

Mantendo um clima hostil para pessoas que não estejam inclusas na cultura judaica, Lelio constrói o reencontro de Ronit com o ambiente judaico com muita precisão. Notamos como a protagonista, por ser uma estranha no ambiente, é sempre filmada separada dos demais personagens, mostrando como, mesmo quando há diálogo, há alguma distância e estranhamento. Até quando pessoas da comunidade são retratadas no mesmo plano que Ronit, há algo que aponta o oceano que os separa, como o uso de uma profundidade de campo curta, que torna o fundo do quadro embaçado e destaca a personagem de Weisz dos demais.

Assim como “Uma Mulher Fantástica”, Lelio se recusa a dar as respostas para seu público

Em “Desobediência”, agrada também o apego da narrativa ao cotidiano. Se, em “Uma Mulher Fantástica”, a necessidade de enfrentar a opressão era construída de forma onírica – com direito números musicais –, em sua nova obra, Lelio opta por criar símbolos com elementos comuns. O hábito de fumar, que é uma das principais caracterizações da protagonista, não pode existir dentro do lar de Dovid, que pede que Ronit fume do lado de fora da casa – Ronit, afinal, não pode ser ela mesma quando está em um ambiente religioso.

Em “Desobediência”, agrada também o apego da narrativa ao cotidiano

A fotografia aproveita o clima da fria Londres para apostar em cores opacas, secas, que muito simbolizam se pensarmos como as duas personagens principais precisam, na região, viver sob um véu de mentira. Aliás, não um véu, mas, mais especificamente, uma peruca. Esti, por exemplo, só sai na rua quando veste uma peruca que esconde seu cabelo natural, algo que parece fazer parte da rotina das mulheres da comunidade.

As sutilezas voltam a encantar quando notamos que até a peruca de Esti carrega uma dose de analogias. Repara-se, por exemplo, como, quando na presença dos judeus, Esti sempre puxa seus cabelos para frente, escondendo um pouco de seu rosto, já que precisa ocultar sua sexualidade. Quando está na presença de Ronit, constantemente a coadjuvante ou a própria Esti colocarão os fios da peruca atrás da orelha da moça, permitindo que vejamos seu rosto por completo e, portanto, sua verdadeira face.

Por se tratar de uma narrativa focada na liberdade (ou pelo menos o desejo por ela), temos aqui um grupo de personagens que querem apenas o direito de fazer suas próprias escolhas, sem as algemas de dogmas milenares ou apontamentos de gerações passadas. Em virtude dessa busca, a fé e os fieis não são exatamente vilões; são apenas parte de um sistema repressor e opressor.

É um filme de personagens desgastados, à beira de uma cisão psicológica, refletindo na forma como Lelio os filma

Esse conflito entre tradição e desejo paira sobre os personagens por todo o tempo, o que resulta em planos estonteantes, como quando um personagem é retratado através de um vidro que, por sua textura, distorce e divide a imagem, mostrando como a indecisão e o medo dominam aquele indivíduo. Nesse dilema entre manter o status quo e realizar-se pessoalmente, a atuação do trio central é imprescindível. Enquanto Rachel Weisz é a referência externa à comunidade, algo palpável tanto por seus hábitos quanto pela timidez na forma com que se locomove pelos espaços, Rachel McAdams e Alessandro Nivola representam dois personagens presos ao contexto no qual foram criados.

Graças às atuações, Esti exala melancolia e conquista nosso lamento pela desesperança que permeia seus olhares e falas. Dovid também causa o mesmo sentimento por parecer uma figura engessada, criada para exercer uma função dentro de seu contexto social sem sequer ter vislumbrado a possibilidade de viver outra vida – algo que reflete na estranheza com que Alessandro Nivola encara qualquer acontecimento que fuja de sua rotina padrão.

É um filme de personagens desgastados, à beira de uma cisão psicológica, refletindo na forma como Lelio os filma: muitas vezes com câmera na mão e quase sempre com close-ups sufocantes. Todos ali possuem seus próprios dilemas, dores e anseios. Todos, em algum grau, oprimidos, pela cobrança por tradição, pela repressão da religião, ou pelo peso de herdar um legado. A Ronit, Esti e Dovid, portanto, resta buscar suas liberdades, enfrentar sistemas e desobedecer. Algo que Lelio faz com o próprio espectador, ao nos negar saídas fáceis, finais previsíveis ou soluções otimistas.

nota do crítico

todo tipo
de conversa
para quem quer
sair do raso
Photo by Redd F on Unsplash

transforme sua marca em conversa
conte com o b9

20 anos de pioneirismo digital

Aqui no B9, a gente adora uma conversa. Mais do que uma paixão, elas viraram o nosso negócio. O B9 já produziu milhares de episódios, canais temáticos, eventos, palestras e campanhas que contam histórias, expandem horizontes e criam conexões autênticas com a audiência. Buscando diferentes pontos de vista e com ideias que nos tiram do raso. Através de oportunidades de mídia, conteúdos originais em podcast e projetos multiplataformas, o B9 também coloca marcas e empresas nessas rodas de conversa. Pra conhecer nossos cases e tudo o que o B9 pode fazer pela sua marca acesse o site:

negocios.b9.com.br
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro
  • Logo de parceiro